segunda-feira, janeiro 29, 2007

Elogio da Loucura 24

Murmurou o seu nome. Repetiu-o. Uma vez. Duas vezes. Três vezes. Muitas vezes. A ver se o tornava banal.

1 Comments:

Blogger Jorge said...

...passaram-se meses...anos...e tornou-se banal...tão banal que passou a ser como um quadro que estivera pendurado na zona mais clara da sala há já uma eternidade...o nome transformou-se no título de um capitulo de um livro que contava a história de uma época em que o tempo se recusava a desfilar normalmente e em que as noites eram tão claras como os dias...

5:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home